23 de mai de 2016

COMO EDITAR SEU LIVRO — A ARTE DE ESCREVER, de Maria Montillarez

 COMO EDITAR SEU LIVRO — A ARTE DE ESCREVER, de Maria Montillarez

Descrição do livro: Quando se pensa em escrever um livro, é importante considerar também o
que não se deve escrever nesse livro.
Por essa razão, Maria Montillarez fez um apanhado de valiosas indicações de COMO EDITAR SEU LIVRO — A ARTE DE ESCREVER, especialmente recomendadas para quem desconheça as normas básicas de edição, escrita e produção de um livro, nos formatos mais usados atualmente: impresso, sob demanda e E-book (este em diversos formatos, como PDF, E-pub etc.), além de sugerir meios de distribuição. Esse livro não é um guia, é um compilado de instruções de quem viveu e vive o processo em seus próprios trabalhos; nele, o novo escritor é direcionado a começar a organizar seus textos e editá-los com mais segurança e profissionalismo.


Acesse o link abaixo e conheça algumas das nossas obras:


Cesta Literária do Instituto ICEIB 2016


 


























Acesse o link abaixo e conheça algumas das nossas obras:

18 de mai de 2016

Meu caderno não mente — O diário de Heloísa, da escritora Maria Montillarez

Prefácio do livro: Meu caderno não mente - O diário de Heloísa, da escritora Maria Montillarez

Meu caderno não mente — O diário de Heloísa é uma das recentes publicações destinadas a se tornar um clássico de nossa literatura. Mesmo que a afirmação possa parecer pretensiosa, não penso
em outra afirmação para expressar a minha visão de futuro da obra. O livro não foi apenas escrito, foi pensado e repensado nos seus mínimos detalhes. Cada parte da história tem profunda e cautelosa racionalidade, que é característica das obras da autora, uma característica que se aprimora dentro de um elegante estilo romanesco.
A história é fruto de um diário imaginário escrito por três mãos: a de Heloísa, a de Léner e a de Nicole. A estrutura da obra respeita a ideia de um diário. A riqueza dos detalhes, as longas descrições, a forma íntima das narrativas, os complementos posteriores das narrativas, e a sensação que temos na leitura de uma história que não se desenvolve, mostram a estrutura de um diário retocado, no qual se tenta justificar as atitudes de um drama amoroso vivido por cinco personagens: Júlio Alcântara, Heloísa, Geraldo, Léner e Nicole. Os personagens, apesar de terem seus sentimentos bem direcionados, têm ao longo da trama um entrelaçamento dos seus sentimentos, resultando em um complexo relacionamento amoroso.
No contato com a história, o leitor não deve desprezar as minúcias das narrativas, pois são momentos fortes da obra e instrumentos usados pela autora para nos fornecer informações precisas sobre os diálogos, às vezes truncados, dos vários personagens que compõem o enredo da trama. É interessante observar que Heloísa sempre se refere à Nicole em propositais substantivos diminutivos, cujos sufixos são usados de jeito a revelar seu desprezo por Nicole (-inha, -zinha...), por exemplo, quando ela classifica Nicole de batutazinha do demo, tudo para convencer, talvez, não somente a Léner, da insignificância que Nicole lhe parece ter, mas também aos leitores dele, de que a condição de Nicole no mundo deveria estar sujeita a mais baixa das posições, e uma das grandes frustrações de Heloísa é justamente a de ver Nicole, hierarquicamente acima dela, como sua patroa a “dona patroinha”.
A criatividade de construção dos personagens é uma das grandes particularidades da obra. O leitor precisa mergulhar no ideário da autora para perceber o direcionamento que ela quer dar à sua trama. Na obra, nenhum personagem aparece por acaso; de uma forma ou de outra todos os personagens contribuem para a coluna mestra da obra, uma grande prova da visão geral e particular que a autora tem do seu trabalho.
Heloísa é uma mulher comum, um coração aberto que se deixou fisgar por um amor platônico e proibido. O descuido de um distraído coração coloca Heloísa como a principal preocupação do enredo. Heloísa não é uma pessoa má, é simplesmente uma mulher apaixonada, e como todo amor não correspondido, perde o direcionamento de ação, realizando infinitas ações que a colocam como vilã de uma história de amor profundo.
O enredo tem como protagonista a personagem Nicole, forte, marcante, inteligente, habituada ao sofrimento. Nicole se caracteriza como o modelo de mulher que é o sonho de todo homem; vive um relacionamento com Júlio Alcântara, homem rico, justo e apaixonado, capaz de fazer grandes sacrifícios para proteger sua família. Júlio representa o ideal de homem das mulheres. O relacionamento entre Júlio e Nicole é o modelo, ou pelo menos, o sonho de todo casal. Na verdade, entre os dois há uma compatibilidade que pode ser caracterizada como transcendental, uma espécie de empatia espiritual que proporciona uma unidade na multiplicidade, isto é, mesmo sendo dois, a empatia é tão profunda que os dois conseguem ser um, sem deixar de ser dois.
A própria estrutura física do livro permite que o leitor teça reflexões, senão vejamos: a capa do livro é propositalmente vermelha, aludindo ao diário de Heloísa, que é descrito como caderno vermelho. O livro que Nicole supostamente escreve, pelas mãos de Maria Montillarez, tem traços de relato, réplica, tréplica... de modo que todos os envolvidos estão esquematizadamente em seus postos para a hora X de entrarem em cena.
Sou Filósofo, mas ouso dizer que li O meu caderno não mente — O diário de Heloísa classificando-o como romance, cujos personagens têm seu núcleo em Nicole e Júlio. Heloísa é coadjuvante; infeliz cacto que ousou nascer no meio de um campo de rosas. É previsto seu destino, e o leitor vai segurando o fôlego, quase com medo de qual seja ele.
Ainda sobre a estrutura do livro, pode-se dizer que a história se inicia no capítulo III, NICOLE — PARTE 21, e, por “maestria poética” (não achei outro modo de dizer), Maria Montillarez, perdão, Nicole, faz o leitor retomar a LÉNER — PARTE 1, para emendar e dar lógica ao cerne da trama. O leitor de obras anteriores desta autora já deve estar habituado ao estilo inversivo de Maria Montillarez. Estão aí Colar de Pérolas, O Pingente, Colar de Pérolas & O Pingente, e Os amigos de sempre provando que esse estilo Maria Montillarez, ao invés de confundir, clareia e diverte. A contemporaneidade literária suplicava pelo novo — ei-lo!
O livro é uma leitura interessante, pois em um momento de aparente crise do amor, ou seja, em um momento em que as pessoas se entregam ao amor com reservas e desconfianças, o livro procura demonstrar o verdadeiro amor, ou pelo menos o amor que as pessoas esperam receber umas das outras. Todos os personagens envolvidos diretamente na trama amorosa amam intensamente; são personagens que raciocinam pelo coração, todos eles vivem o mais alto nível do amor e da realidade altruísta.
Meu caderno não mente — O diário de Heloísa é um livro para ser lido com a inteligência emocional, buscando viver um sonho que na realidade ou na vida real é a motivação que alimenta as relações de todos os verdadeiros mortais.
Vivamos a realidade, envolvidos pelo sonho-realidade da fantasia. A dor mortal de todo ser humano não é sonhar sonhos impossíveis, mas não achar as coisas impossíveis para sonhar.


(Ernandes Reis Marinho é Diretor Presidente do ICEIB; Vice-presidente da Academia de Letras de Samambaia/ASLAS; Professor e Doutor em Filosofia; Pró-reitor da Estácio/Facitec — DF).


Acesse o link abaixo e conheça algumas das nossas obras:


Sob o olhar do mal, da escritora Maria Montillarez

Prefácio do livro: Sob o olhar do mal, da escritora Maria Montillarez

A escritora Maria Montillarez não se cansa de surpreender seus leitores pela maestria com que navega por várias áreas e questões complexas de nossa sociedade, as quais
tornam os seus romances tão ricos e inovadores.
Apesar do respeito e admiração por Maria Montillarez, minha agenda desfavorecia a que eu pudesse prefaciar o livro Sob o olhar do mal. Eu teria de recusar o privilégio, embora olhasse para os originais que eu deveria ler para prefaciar, e uma profunda reverência ao trabalho dela me impelisse a lê-lo, pois, sempre que a leio, saio da experiência modificado.
Por isso, caro leitor, não pretendo enganá-lo acerca do conteúdo deste livro, e irei aconselhá-lo a não ler Sob o olhar do mal, se sua intenção não for a de se tornar mais um leitor preso às teias de outro intenso romance urdido por Maria Montillarez! Atesto que fui pego pela trama de Sob o olhar do mal, quando disse a mim mesmo: Lerei a primeira página e direi à Maria Montillarez que lamento, mas o ofício me impediu de prefaciá-lo etc., etc., e tal.
Tão logo iniciei a leitura, telefonei a ela, já um tanto comprometido, contagiado... Antes de eu dizer qualquer negativa, ela me garantiu: “Você tem todo tempo do mundo pra escrever esse prefácio! Não se apresse!” Me desarmou. Mas eu disse a mim mesmo que iria ser capaz de resistir ao livro. Encostei-o. Já estava virando ponto de honra.
Tive uns reveses na vida, Maria Montillarez apareceu para os pesares, como boa companheira de Academia, e, apesar do sentimento nítido, vi nos olhos dela aquele compromisso do prefácio. Bati o pé em silêncio. Não ia ter prefácio!
Mas o que era aquilo? Afinal ela nem tocara no assunto? O que havia entre mim e os livros dela? Oras, não tinha a ver com Maria, era com os livros dela que eu me embatia. Ia ganhando tempo.
Certo dia, abri um e-mail dela que tratava de assuntos relativos à Academia de Letras da qual somos confrades. De algum modo li letras pululando na tela: “Não estou cobrando nada, mas escreva se lembra do prefácio?”
Comecei a pensar que o livro tinha poderes e me espionava. Contudo, era minha consciência de leitor rendido, e não pude parar naquela primeira página. O conteúdo do romance foi me instigando a seguir em frente, página após página, para saber o desenrolar da história. Em vários momentos obriguei-me a refletir sobre alguns padrões impregnados em nossa sociedade, graças a abordagem de temas que ainda são tabus para muitos e geram preconceito, discriminação e até exclusão social: pode-se, ás vezes pensar que eles estão errados, enquanto tabus, sendo tão somente preconceitos.
O objetivo de alguns dos personagens principais é viver uma vida plena, buscando saciar suas paixões, mesmo que elas saiam do senso comum. Isso corrobora com a singularidade da obra, essa que marca profundamente e nos torna leitor-presa neste interessante enredo.
Assim, rendido, disse a mim mesmo que faria aquela leitura em... talvez, uma semana! Em um milênio, escreveria o prefácio, oras! Sou filósofo, e apreciar literatura me dá um pouco nos nervos!
Qual foi minha grata surpresa?
A leitura que seria de uma semana (ou mais), eu a fiz em um dia! Pela razão simples e única de que devorei o livro! — E o livro me devorou!
Maria Montillarez é reputada como autora de romances longos, com muitas páginas. No entanto, Sob o olhar do mal é um livro curto, mas de conteúdo intenso e instigante. Portanto, para quem gosta de ler um excelente livro, recomendo que viva sua experiência Sob o olhar do mal.

Rogério Corrêa
Filósofo e escritor mineiro.



Acesse o link abaixo e conheça algumas das nossas obras:


Um Olhar sobre a Educação Rural Brasileira, de Ernandes Reis Marinho




Acesse o link abaixo e conheça as nossas obras:

Livraria AMAZON

Lançamento de livro pelo selo do ICEIB

Lançamento do livro "Narrador de conceitos rimados", de José Batista da Silva:










Acesse o link abaixo e tenha acesso a algumas de nossas obras:



12 de mai de 2016

O Instituto ICEIB tem participado ativamente de eventos culturais


Acesse o link abaixo e conheça as nossas obras:

Livraria AMAZON

Sob o olhar do mal, da escritora Maria Montillarez

Prefácio do livro: Sob o olhar do mal, da escritora Maria Montillarez

A escritora Maria Montillarez não se cansa de surpreender seus leitores pela maestria com que navega por várias áreas e questões complexas de nossa sociedade, as quais
tornam os seus romances tão ricos e inovadores.
Apesar do respeito e admiração por Maria Montillarez, minha agenda desfavorecia a que eu pudesse prefaciar o livro Sob o olhar do mal. Eu teria de recusar o privilégio, embora olhasse para os originais que eu deveria ler para prefaciar, e uma profunda reverência ao trabalho dela me impelisse a lê-lo, pois, sempre que a leio, saio da experiência modificado.
Por isso, caro leitor, não pretendo enganá-lo acerca do conteúdo deste livro, e irei aconselhá-lo a não ler Sob o olhar do mal, se sua intenção não for a de se tornar mais um leitor preso às teias de outro intenso romance urdido por Maria Montillarez! Atesto que fui pego pela trama de Sob o olhar do mal, quando disse a mim mesmo: Lerei a primeira página e direi à Maria Montillarez que lamento, mas o ofício me impediu de prefaciá-lo etc., etc., e tal.
Tão logo iniciei a leitura, telefonei a ela, já um tanto comprometido, contagiado... Antes de eu dizer qualquer negativa, ela me garantiu: “Você tem todo tempo do mundo pra escrever esse prefácio! Não se apresse!” Me desarmou. Mas eu disse a mim mesmo que iria ser capaz de resistir ao livro. Encostei-o. Já estava virando ponto de honra.
Tive uns reveses na vida, Maria Montillarez apareceu para os pesares, como boa companheira de Academia, e, apesar do sentimento nítido, vi nos olhos dela aquele compromisso do prefácio. Bati o pé em silêncio. Não ia ter prefácio!
Mas o que era aquilo? Afinal ela nem tocara no assunto? O que havia entre mim e os livros dela? Oras, não tinha a ver com Maria, era com os livros dela que eu me embatia. Ia ganhando tempo.
Certo dia, abri um e-mail dela que tratava de assuntos relativos à Academia de Letras da qual somos confrades. De algum modo li letras pululando na tela: “Não estou cobrando nada, mas escreva se lembra do prefácio?”
Comecei a pensar que o livro tinha poderes e me espionava. Contudo, era minha consciência de leitor rendido, e não pude parar naquela primeira página. O conteúdo do romance foi me instigando a seguir em frente, página após página, para saber o desenrolar da história. Em vários momentos obriguei-me a refletir sobre alguns padrões impregnados em nossa sociedade, graças a abordagem de temas que ainda são tabus para muitos e geram preconceito, discriminação e até exclusão social: pode-se, ás vezes pensar que eles estão errados, enquanto tabus, sendo tão somente preconceitos.
O objetivo de alguns dos personagens principais é viver uma vida plena, buscando saciar suas paixões, mesmo que elas saiam do senso comum. Isso corrobora com a singularidade da obra, essa que marca profundamente e nos torna leitor-presa neste interessante enredo.
Assim, rendido, disse a mim mesmo que faria aquela leitura em... talvez, uma semana! Em um milênio, escreveria o prefácio, oras! Sou filósofo, e apreciar literatura me dá um pouco nos nervos!
Qual foi minha grata surpresa?
A leitura que seria de uma semana (ou mais), eu a fiz em um dia! Pela razão simples e única de que devorei o livro! — E o livro me devorou!
Maria Montillarez é reputada como autora de romances longos, com muitas páginas. No entanto, Sob o olhar do mal é um livro curto, mas de conteúdo intenso e instigante. Portanto, para quem gosta de ler um excelente livro, recomendo que viva sua experiência Sob o olhar do mal.

Rogério Corrêa
Filósofo e escritor mineiro.



Acesse o link abaixo e conheça algumas das nossas obras:

9 de mai de 2016

Maria Montillarez é entrevistada pelo Programa Reporter Justiça – Lei e leitura, da TV Justiça

Maria Montillarez foi entrevistada pelo Programa Reporter Justiça – Lei e leitura, da TV Justiça

“A leitura além de ser uma atividade essencial para o aprendizado é um recurso de entretenimento. Quem lê, viaja, dizem os aficionados. Mas e no Brasil de hoje temos conseguido fazer com que as novas gerações leiam mais? O Repórter Justiça desta semana mostra que o cenário é animador com o crescimento do número de livros. Ao entrar em uma grande livraria pode-se até ter a impressão de que somos um país de leitores, mas os especialistas dizem que estamos longe do ideal.

Se o hábito de ler tem que começar em casa e se estender para a escola, existe o decreto 91.542 de 19 de agosto de 1985 que instituiu o Programa Nacional do Livro Didático com a finalidade de distribuir livros escolares aos estudantes matriculados nas escolas públicas de 1º grau.

Você vai conhecer no programa dessa semana a persistência de uma mulher que sonhou e realizou. Apaixonada por literatura, na infância ela chegava a andar seis quilômetros para ter acesso à biblioteca mais próxima. Hoje ela se tornou uma escritora que dribla as dificuldades financeiras e publica suas próprias obras. Ela dá um conselho para quem quer começar. “Primeiro não pensar em ganhar dinheiro, se você estiver pensando em ganhar dinheiro, você pode se frustrar bastante. Tem que estar preparado para esta frustração. Mas se você também pode se tornar um fenômeno de vendagem, é uma loteria, porém é uma felicidade imensa pegar um filho literário aqui e isso pode mudar vidas”, diz a escritora Maria Montillarez.”

Acesse o link abaixo e tenha acesso a algumas de nossas obras:



5 de mai de 2016

Otimistas incorrigíveis, Org. por Ernandes Reis Marinho está no Japão

Nossas obras estão disponíveis nas principais livrarias.
Acesse o link abaixo e conheça algumas delas:


O Instituto ICEIB tem desenvolvido várias atividades culturais

 
Acesse o link abaixo e tenha acesso a algumas de nossas obras:

Combinação catastrófica: corrupção, mentira e falta de ética, de Rogério Corrêa está na Alemanha

O livro Combinação catastrófica: corrupção, mentira e falta de ética,  está disponível nas principais livrarias.

Acesse o link abaixo e conheça algumas de nossas obras:

28 de abr de 2016

Trabalho do escritor Rogério Corrêa é destacado em jornal mineiro

O Jornal Folha de Unaí destaca o trabalho do escritor Rogério Corrêa  que publicou o livro Festas de Carros de Boi.  O jornalista André Oliveira, em sua coluna Bastidores da Notícia do dia 28 de abril de 2016, presenteou o público com a sinopse e pequeno trecho do livro:

Acesse o link abaixo e tenha acesso a algumas de nossas obras: